O século da consciência

por | dez 28, 2021 | Estudos de Futuros, Futurismo, Strategic Foresight

Comecei o ano dizendo que na próxima década, a pauta mais importante seria a restauração do planeta. A COP26 e os centros de estudos sobre os limites para o equilíbrio do planeta emitem alertas todos os dias: dos nove limites já ultrapassamos quatro.

No ano passado, sugeri que a retomada do fluxo da vida poderia ser somente em 2023. Parece que estamos mesmo nesta rota. 2022 continuará sendo difícil, tumultuado e desafiador. A pandemia não acabou e teremos que continuar os protocolos ao sair de casa.

Quem pensa em longo prazo percebe melhor os sinais de mudança do que quem está imerso no barulho imediato da vida. Canso de dizer que o futuro não é previsível, mas ele tem padrões que se repetem possíveis de observar.

A pandemia mudou nossa existência positivamente. Um evento  não comparável a nada que tenha acontecido antes na história humana, e deu início aos enormes desafios anunciados para o Século 21.

A mudança é inegável. Todos os segmentos de negócio fizeram adaptações, e o mundo já funciona de forma híbrida. O metaverso fará parte da nossa vida futura, mas a vida não pode se resumir ao mundo virtual, isso descaracterizaria nossa espécie e a vida na Terra.

A decadência de empresas com modelos tradicionais será cada vez mais notória e acelerada. O desemprego deve aumentar, agravado pela crise econômica, mas impulsionado pela baixa qualificação da mão de obra para o novo mercado mundial.

A vida pessoal ficou mais inteligente, abundante, acessível, mas ainda estamos longe de oferecer um mundo mais equalizado e digno para todas as pessoas. Há ilusão de que em países desenvolvidos tudo é bom, e que por aqui, tudo é ruim. Não é verdade. Viajo pelo mundo e garanto que morar no Brasil é excelente.

Para acompanhar o fluxo do presente para o futuro, precisamos mergulhar para dentro não mais nos distrair com os assuntos adjacentes. É preciso fazer uma reforma interior e encarar verdades individuais que até agora foram mascaradas com discursos rasos. Quem é você, qual é seu propósito, para onde vai e porque, e quais são as coisas que você precisa consertar dentro de você para ser relevante no mundo à sua volta? Nenhuma superficialidade se sustentará a partir de agora. O novo mundo nos convida para o evento que marca o início de um novo século: a era da consciência expandida. Consciência significa enxergar além do óbvio, reconhecer o que sempre esteve lá, coberto por véus de subtração ou proteção. O imenso universo de dois trilhões de galáxias nos revela todos os dias um pouco mais da sua luz. Ajuste sua lente, mude seu modo de pensar e viver. Já sabemos o que é ético, correto e decente. Não adie mais  sua transformação.

Jaqueline Weigel, jornal Gazeta do Sul – 27/12/2021