Liderança orientada para o futuro

por | nov 22, 2021 | Futurismo, Strategic Foresight

Jaqueline Weigel, expert em Futures Studies, W Futurismo, Brasil

O mundo vem sendo fortemente desafiado na virada do século. De modelos de liderança autoritários, hierárquicos, com filosofias de comando e controle, fomos mudando aos poucos para versões mais humanistas e horizontais, e parece que agora, além de influenciar pessoas, os líderes precisarão passar por transformações internas radicais para responder à era que vem acelerando a história do mundo.

 

Modelos de liderança

Liderar significava dar exemplo, saber muito de algum assunto, ter vasta experiência em um segmento, e alta capacidade de trazer resultados para a empresa. Parece um assunto antigo, do século passado. E é!

Nos últimos anos, profissionais em posição de liderança foram convidados a desenvolver soft skills, competências comportamentais que vão muito além das famosas hard skills, popularmente conhecidas como competências técnicas.

Quando o Líder Coach ganhou espaço, a compreensão de que era preciso ouvir mais do que falar, de que feedback bem feito traz engajamento, que perguntas são mais eficientes que respostas prontas e ordens mandatórias começou a despertar atenção no mundo organizacional.

Migramos para a era digital, onde a tecnologia tomou a frente, impondo um ritmo disruptivos e acelerado, possibilitando a ruptura dos modelos tradicionais e potencializando o olhar para os impactos sociais, que se tornaram surpreendentes e essenciais, e passaram a exigir da liderança um novo posicionamento: o trabalho em rede, espaço para a inovação constante e a inserção de propósito nos assuntos do dia a dia.

A era 4.0 tornou comum o termo exponencial, que significa muito acima da curva tradicional, acelerado, dez vezes mais potente com o uso de dez vezes menos recursos, e houve uma grande revolução cultural no mundo dos negócios.

Ser digital é ter um modelo mental aberto, flexível, disruptivo e adaptativo.  O modelo digital é um modelo transitório de curto prazo, que exigiu um vocabulário especial, visão ampliada, mas não foi suficiente ainda para mudar as premissas tradicionais de liderança.

Por outro lado, ninguém segue um líder visionário que não tem capacidade de implementar com maestria suas ideias.

O líder exponencial, tema de expertise da W Futurismo nos últimos quatro anos, é bastante ousado. Baseado em uma pesquisa da Singularity University, ele tem um modelo mental raro, uma rede de competências ( skillnet)  e uma conexão global com comunidades de futuros, para que projetos globais aconteçam de forma complementar e beneficiem pessoas de todas as tribos ao mesmo tempo.

Com a evolução da compreensão e que nosso mundo precisa avançar muitas milhas em pouco tempo, a consciência dos líderes foi sendo ampliada, e causas sociais, desafios globais, bem estar, governança, meio ambiente, experiência do cliente foram tomando espaço no alfabeto dos negócios, assim como a computação quântica se tornou realidade de transição. A liderança também teve que transcender, ou seja, ir muito além dos padrões naturais anteriores.

O novo líder é horizontal, lidera tribos de mini líderes, é um entusiasta e tem um jeito de ser particular. É corajoso, dedicado, ousado, sensível, conectado aos assuntos relevantes do mundo. Tem a ética como o guia mais forte, tem clareza de sua missão e de objetivos nobres, conhece sua responsabilidade, trabalha movido pelo impacto social e monetiza de forma abundante por consequência dos comportamentos e do jeito de pensar nos negócios. Ele é o personagem que cria a cultura à sua volta, engaja as pessoas e inventa o futuro sem medo de ser ridículo.

 

O que é liderança pós-moderna na prática?

É a capacidade de criar mudanças, de transformar, de adaptar. É materializar o pensamento coletivo, ser excelente em relações interpessoais, ter über resiliência, e ser capaz de mobilizar grupos em torno de uma causa que favorece milhares de pessoas. É saber que é preciso andar em diferentes posições no comando do grupo, ora na frente, ora atrás, no centro ou ao lado.

O novo líder acima de tudo tem presença e vive em estado de observação permanente.

O líder não é mais quem faz e sim quem coordena o ambiente para que as coisas sejam feitas.

reset da liderança exige multi e super competências, não apenas criatividade. Um bom líder do século 21 usará modelos de liderança de diferentes épocas de forma transversal.

Será ao mesmo tempo visionário, relacional, criativo, imaginativo, altamente adaptável e super implementador. Sabe como dar sentido à tudo que está sendo feito, e usa todas as inteligência cognitivas que vão muito além das inteligências tradicionais do ser humano.

O QI ( Quociente de Inteligência )  é limitado, QE ( Quociente Emocional ) é adaptável, QA ( Quociente de Adversidade ) virou necessidade básica e o QS ( Quociente Espiritual )  é a grande skill da nova década, junto com Mindfullness e estado de presença.

QS representa a busca do sentido da vida, a criação de algo memorável, maior que o anseio de uma pessoa apenas ou de um pequeno grupo.

A capacidade de gerar mudança é a grande nova medida da liderança, enquanto que a  produtividade virou régua do mundo velho. O novo líder precisa ser capaz de abraçar a gestão pós moderna: prospectar, planejar, liderar a execução, ajustar, influenciar e medir o progresso sem os tolos controle da gestão tradicional.

O mundo não é mais apenas uma caixa de boas ideias, e as empresas não podem mais ser pensadas em departamentos. Liderança é um estado de ser e se tornou fundamental que agora possamos criar líderes mais livres em todos os sentidos não apenas bons gestores. O mundo está carente de gente visionária e humana, e farta de metas, tecnologia em excesso e trabalhos sem sentido.

 

O que líderes precisam saber:

  • O novo líder tem mindset orientado para o futuro e é potente em tomar decisões arrojadas no presente;
  • Melhorar ou desenvolver habilidades não é mais suficiente;
  • Tem clara a visão de longo prazo e alta capacidade de engajar pessoas rumo a futuros altamente imaginativos;

A troca de cadeiras já começou. As áreas de Recursos Humanos não devem mais separar pessoas e negócios em assuntos separados, líderes em camadas hierárquicas nem promover treinamentos que não atendem mais as necessidades atuais da comunidade corporatriva. Digitalizar o mindset e construir mindset orientado para futuros agora é prioridade máxima.

W Futurismo é o 1º Hub de Estudos de Futuros do Brasil. Estudos de Futuros traz pragmatismo e metodologias robustas para que líderes consigam transformar a si mesmos e os negócios rumo a futuros disruptivos.

Jaqueline Weigel, futurista
W Futurismo – Foresight & Futures Studies, Brasil
+55 11 3037 7218 | 992272703

WeCreativez WhatsApp Support
Nossa equipe de suporte ao cliente está aqui para responder às suas perguntas. Pergunte-nos qualquer coisa!
👋 Olá, como posso ajuda-lo?